Desvendando a Psicose: Sintomas, Tipos e Tratamentos

Comece a se sentir melhor hoje!

Conecte-se com seu terapeuta hoje e assuma o controle de sua vida, assim como nossos 500.000 clientes satisfeitos.

A Origem da Psicose

A psicose deriva das palavras gregas psyche (mente, alma) e -osis (estado doentio ou anormal)1. Nikolaus Friedreich (1825–1882) pensava na psicose como uma combinação de anormalidade cerebral baseada em neurologia e fragilidade mental, e portanto usava psicose para explicar insanidade e transtorno mental.

Emil Kraepelin (1856–1926), por outro lado, acreditava que todo transtorno nos humanos tem sua própria etiologia, anatomia patológica e sintomas. No entanto, Kraepelin pensava que muitos transtornos têm sintomas e fundamentos biológicos similares, mas seguem caminhos diferentes à medida que o transtorno progride2.

Após isso, ele pesquisou como agrupar e diagnosticar transtornos psiquiátricos de maneira diferente, o que levou à descoberta de muitos dos transtornos que frequentemente acompanham a psicose. Então, o que exatamente significa psicose?

O que é Psicose?

Psicose é um termo psiquiátrico que descreve comprometimentos no pensamento e na percepção. É usado para descrever situações em que perdemos o contato com a realidade e não conseguimos distinguir entre o que é real e o que não é. Alguns dos sinais são ouvir sons que não existem, ver coisas que não existem e agir como se existissem.

Pessoas que estão passando por um episódio psicótico evitam situações sociais, podem ter dificuldade em continuar trabalhando e até mesmo podem ser incapazes de realizar tarefas de autocuidado, como tomar banho.

Neste momento, os relacionamentos sociais podem sofrer devido à deterioração no conteúdo do pensamento. Uma pessoa que acredita que será prejudicada pela família, por exemplo, pode ter problemas com eles, e uma pessoa que acredita que seus colegas de trabalho estão conspirando para prejudicá-la pode ter problemas com seus colegas.

Causas da Psicose

A psicose pode coexistir com uma doença psiquiátrica. O protótipo dessas doenças é a esquizofrenia. A psicose também pode ser observada em transtornos como transtorno delirante, transtorno esquizoafetivo, psicose compartilhada, transtorno psicótico relacionado ao uso de substâncias, transtorno psicótico relacionado a condições médicas, transtorno afetivo bipolar, transtorno depressivo, delirium e demência. As causas da psicose podem ser divididas em quatro categorias:

  • Transmissão genética
  • Uso de substâncias ou drogas
  • Fatores ambientais (estresse, etc.)
  • Outra condição de saúde (tumores cerebrais, metástases de câncer, etc.)3

Sintomas da Psicose

  • Alucinações
  • Delírios
  • Distúrbios na atenção e memória
  • Funcionalidade diminuída
  • Introversão
  • Afeto inapropriado (reações emocionais que não correspondem à situação ou conteúdo do pensamento do indivíduo)
  • Duplo afeto (ambivalência, coexistência de emoções opostas, como ódio e amor)
  • Distúrbios no julgamento3

Alucinação

Uma alucinação ocorre quando uma pessoa percebe um estímulo mesmo sem haver um estímulo externo. As alucinações mais comuns são alucinações auditivas e visuais.

Tipos de alucinações:

  • Alucinações ópticas/visuais
  • Alucinações acústicas/auditivas
  • Alucinações gustativas/palatais
  • Alucinações olfativas/olfativas
  • Alucinações táteis
  • Alucinações somáticas (como dor em órgãos internos)

Mesmo que ninguém esteja falando, a pessoa pode ouvir vozes dando ordens ou ver coisas e pessoas que não existem no mundo real. Da mesma forma, as pessoas podem ter alucinações de cheiro, gosto, tato, desrealização e despersonalização3.

Alucinações na Psicose

Delírio

Delírios são crenças fortes que não são compartilhadas pela maioria das pessoas em uma cultura, não correspondem à realidade e não podem ser alteradas pelo pensamento lógico. Os delírios podem ser diferentes dependendo do que eles são baseados.

Delírios Grandiosos

São delírios nos quais a pessoa se considera muito importante, poderosa, rica, tem uma identidade superior ou está conectada a um poder ou pessoa divina4. Alguns exemplos desses são pensar que a pessoa é um profeta ou presidente e que todos estão apaixonados por eles.

Delírios Persecutórios

São delírios de que alguém irá machucá-los, um membro da família ou um amigo próximo, que coisas ruins acontecerão com eles, ou que estão sendo alvo de uma conspiração por parte de um grupo4. Por exemplo, uma pessoa pode pensar que a CIA está atrás delas e que serão mortas por causa disso.

Delírios de Referência

É a pessoa fazendo sentido de si mesma a partir das palavras e comportamentos de outras pessoas ou de certos eventos ou sinais no mundo exterior4. Por exemplo: Os carros passando na rua estão buzinando, o que implica que a polícia está atrás de mim e que devo fugir..

Delírios de Controle

É a crença de que os desejos, sentimentos ou pensamentos da pessoa são controlados por forças externas4. Por exemplo: Não sou eu quem está falando; eles acessam minha mente e me fazem falar os pensamentos de outras pessoas..

Delírios Erotomaníacos

A pessoa geralmente acredita que uma pessoa conhecida, rica e poderosa está apaixonada por ela. Por exemplo: Brad Pitt me envia mensagens o tempo todo nas redes sociais. Ele está apaixonado por mim, mas eu não respondo a ele..

Delírios Nihilistas

É a crença de que o próprio indivíduo, os outros e o mundo não existem e que terminou4. Por exemplo, Minhas entranhas estão apodrecendo; estou morrendo..

Diagnóstico da Psicose

O diagnóstico de transtornos psiquiátricos é feito por meio de exames psiquiátricos consecutivos utilizando critérios do DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) e da CID (Classificação Internacional de Doenças). Escalas são utilizadas para apoiar o diagnóstico e determinar o benefício do tratamento. As escalas usadas para o diagnóstico da psicose são as seguintes:

  • BPRS (Escala Breve de Avaliação Psiquiátrica)
  • PANSS (Escala de Sintomas Positivos e Negativos)
  • BNSS (Escala Breve de Sintomas Negativos)
  • SAPS (Escala para Avaliação de Sintomas Positivos)

Transtornos Caracterizados pela Psicose

Psicose Relacionada ao Uso de Substâncias

15% das pessoas na população geral têm um transtorno relacionado ao uso de substâncias, mas 50% das pessoas com um transtorno psicótico tiveram um transtorno relacionado ao uso de substâncias em algum momento de suas vidas5. Existem muitos estudos que mostram que substâncias como álcool, cannabis, cocaína e inalantes estão relacionadas a transtornos psicóticos6. Com mais pessoas usando drogas no mundo hoje, há mais casos de psicose relacionada ao uso de substâncias.

Esquizofrenia

O transtorno mais comum que acompanha a psicose é a esquizofrenia. Os pacientes têm dificuldade em distinguir entre o real e o irreal. Para diagnosticar a esquizofrenia, é importante saber há quanto tempo o transtorno está ocorrendo e excluir outras condições que poderiam causar psicose.

Psicose Compartilhada

Este é um transtorno raro caracterizado por duas ou mais pessoas em uma família ou grupo compartilhando o mesmo delírio. Geralmente é observado entre marido e mulher, pais e filhos5. Outros membros da família compartilham o delírio da pessoa na família que realmente tem o transtorno. As pessoas que acreditam no delírio geralmente estão isoladas e afastadas do resto da sociedade. No tratamento, a pessoa que tem o delírio e o paciente principal devem ser mantidos separados.

Transtorno Delirante

O paciente apresenta um único ou um conjunto coerente de delírios que são bem organizados. Além desses delírios, não há nenhum distúrbio significativo3. A funcionalidade é mantida. A paranoia de perseguição é o tipo mais comum3.

Delírios da Psicose

Tratamento da Psicose

Há opções de acompanhamento em clínicas externas e tratamento hospitalar. Exceto nos casos que requerem hospitalização, o tratamento geralmente continua com acompanhamento em clínicas externas.

A primeira opção no tratamento da psicose e transtornos psicóticos são os medicamentos antipsicóticos3. Os medicamentos antipsicóticos aliviam os sintomas na fase ativa do transtorno e são eficazes na prevenção de recorrências. O aumento de dopamina na via mesolímbica no cérebro causa sintomas como delírios e alucinações. Os medicamentos antipsicóticos também atuam nos receptores de dopamina no cérebro. Exemplos de medicamentos antipsicóticos incluem:

  • Haloperidol
  • Quetiapina
  • Olanzapina
  • Risperidona
  • Clorpromazina
  • Aripiprazol
  • Sulpirida
  • Clozapina

Em casos resistentes, a ECT (eletroconvulsoterapia) pode ser usada. A terapia cognitivo-comportamental e as psicoterapias de apoio podem ser utilizadas. Além do tratamento médico, existem outras opções de tratamento. O passo mais importante é o tratamento médico. Planos de tratamento podem ser desenvolvidos com base no transtorno acompanhado pela psicose.

Em primeiro lugar, o uso de substâncias deve ser interrompido nos casos de psicose relacionada ao uso de substâncias. Se possível, a droga deve ser interrompida ou trocada nos casos de psicose relacionada a drogas. O tratamento da condição médica que causa a psicose é necessário nos casos de psicose causada por uma condição médica. O uso regular de medicamentos e o acompanhamento reduzem consideravelmente o risco de recorrência da psicose.

Fontes

  1. Johns LC, van Os J. (2001) A continuidade das experiências psicóticas na população em geral. Clinical Psychology Review, 21 (8), 1125-41
  2. Farrell M.: Discutindo a psicose: Como falamos sobre insanidade. 2018. RoutledgeLondon and New York
  3. ÖZTÜRK MO , Uluşahin NA 'Saúde Mental e Transtornos', Livrarias de Medicina Nobel, Ankara, 2020.
  4. KIRPINAR İ, 'Manual do Jovem Psiquiatra', Publicações Psikonet, Istambul, 2019.
  5. Mueser KT, Gingerich S. Tratamento de transtornos psicóticos e de uso de substâncias concomitantes. Soc Work Public Health 2013; 28(3-4): 424-39.
  6. Prom-Wormley EC, Ebejer J, Dick DM, Bowers MS. A epidemiologia genética do transtorno do uso de substâncias: Uma revisão. Drug Alcohol Depend 2017; 180: 241-59.
*Os artigos em nosso site não fornecem aconselhamento médico e são apenas para fins informativos. Um transtorno não pode ser diagnosticado com base nos artigos. Um transtorno só pode ser diagnosticado por um psiquiatra.