A Técnica da Fingimento na Terapia

Comece a se sentir melhor hoje!

Conecte-se com seu terapeuta hoje e assuma o controle de sua vida, assim como nossos 500.000 clientes satisfeitos.

Desvantagens de Viver em Padrões

Crianças podem pular de grandes alturas para o chão. Podem gritar em público. Podem se tornar super-heróis e tentar salvar pessoas do mal. Podemos fazer isso como adultos? Infelizmente, não. Obviamente, as coisas mudam conforme envelhecemos. A razão para essa mudança é que estamos constantemente estabelecendo novos limites a cada ano.

Você é uma mãe e deve agir de acordo. Você já é uma pessoa ansiosa. Você é mulher/homem. Você deve agir como mulher/homem.. A lista continua. Padrões comportamentais considerados dignos de nós agora se tornam um repertório internalizado.

Então, o que esses padrões causam? Em um dos treinamentos que dei na vida corporativa, contei aos participantes que eu era engenheiro aeronáutico. Muitos não acreditaram. Eles disseram: "Não, você é psicólogo." Você também não acreditou, não é mesmo? Então por que? Qual é o meu obstáculo para não ser um engenheiro aeronáutico? Ou esses obstáculos são simplesmente os estereótipos que vemos através de nossos olhos?

A sociedade nos diz que precisamos nos encaixar em estereótipos para que possamos categorizar mais facilmente nosso ambiente e especialmente a nós mesmos. Embora não haja obstáculos reais para eu me tornar um engenheiro aeronáutico, tanto eu quanto você julgamos que eu não posso ser um engenheiro aeronáutico. Isso limita nossa criatividade, coragem e desenvolvimento. Como podemos nos livrar desses estereótipos e das barreiras que eles constroem?

A Confused Woman

What is Pretending?

Em suas terapias, Alfred Adler trabalhou nisso e descobriu que a solução poderia se basear em uma lógica muito simples: pretending.

Quando as pessoas acham difícil ter conversas confiantes ou responder com empatia, Adler, na cadeira do terapeuta, as encorajava a fingir confiança ou empatia várias vezes ao dia até a próxima sessão. Ele testemunhou que, à medida que as pessoas começam a agir e sentir de forma diferente, seus comportamentos se tornam diferentes e mais flexíveis.1.

Essa técnica pode ser facilmente aplicada tanto em terapia presencial quanto online para observar e demonstrar as mudanças comportamentais que ocorrem com a terapia.

Imagine que você praticou apenas um comportamento por um tempo que não estava em seu repertório antes e cujo resultado você não podia prever. Em sua mente, você percebe o verdadeiro resultado desse comportamento sem a influência de suas expectativas. Você já desejou poder dizer não ao seu parceiro/gerente/membro da família que sempre pede algo a você?

Geralmente, existem pensamentos que impedem você de mostrar essas reações; os motivos que temos em mente continuam, como: Mesmo que eu explique, eles não vão entender. Eles nunca vão me amar novamente. Eles não vão me ver como um bom funcionário.. Deixe esses motivos de lado apenas uma vez e considere se envolver no comportamento que você deseja. Esse comportamento não pode ser experimentado, mesmo para a possibilidade de algo ser diferente do que você esperava?

O psicólogo Daryl Bem afirma que, assim como as pessoas chegam a conclusões sobre os outros ao observá-los, elas também ganham algumas percepções sobre si mesmas ao se observarem.2. Daryl Bem acrescenta: pretending que isso dá às pessoas a oportunidade de criar novas histórias sobre suas vidas e trazer os melhores resultados possíveis à vida.

A woman pretending

Podemos elaborar um pouco mais sobre definições e exemplos. Na técnica de fingimento, os terapeutas pedem aos clientes que finjam que uma determinada ideia é verdadeira, ou seja, que argumentem que a regra básica acordada e a crença são diferentes. Por exemplo, um cliente vem à terapia reclamando por não ter um parceiro romântico em sua vida e sofrendo de solidão, e descobre-se que ele tem a ideia de que as pessoas não são confiáveis.

Por causa dessa crença, eles temem as pessoas ou as desprezam, evitam intimidade e tentam afastar as pessoas de si mesmos.3. Usando a pretend técnica, o terapeuta e o cliente podem trabalhar por uma semana ou um dia fingindo que a ideia de que as pessoas são confiáveis é verdadeira.

A mente humana tem um impulso para se envolver em suposições incorretas e pensamentos fixos que são caóticos e incompreensíveis. Devido a esses desafios, os preconceitos negativos da pessoa serão abalados. Novas e verdadeiras ideias começarão a surgir. A pessoa vai parar de ter esses impulsos incontroláveis e, quando coisas boas acontecerem, estarão um passo mais perto de ter as experiências que desejam.4.

Os Benefícios da Técnica do Fingimento

Fingir abre diferentes portas para nós e nos permite seguir caminhos diferentes, descobrindo assim novas emoções. Por exemplo, podemos experimentar emoções como:

  • A crença de que podemos mudar outros comportamentos depois de fingirmos exibir um
  • A empolgação de tentar coisas novas de novas maneiras, em vez de vivermos como estamos acostumados
  • A coragem que sentimos antes ou durante a realização dos comportamentos que tememos

Além de tudo isso, a técnica do "fingimento" muitas vezes é percebida como arriscada. Naturalmente, exibir comportamentos aos quais não estamos acostumados pode ser perigoso para nós. É compreensível ter medo de tentar, mas estudos em terapia, por exemplo, têm mostrado que quando os clientes tentam conversar com seus gerentes sobre reduzir suas horas de trabalho, as palavras fluem e as conversas futuras se tornam menos assustadoras.

Em outras palavras, o medo de fazer um discurso é percebido como pior do que o próprio discurso. Imagine se esse medo não pudesse impedir nosso comportamento. Considere como alguns problemas profundamente enraizados em nossas vidas podem ser resolvidos quando exibimos comportamentos que temos medo de mostrar ou não sabemos como mostrar. Apenas essa crença é um dos maiores benefícios dessa técnica.

Como Aplicar a Técnica do Fingimento

Como nós "fingimos"?

  1. Primeiramente, para "fingir", você precisa se distanciar e se observar para entender que tipo de pessoa você deseja ser e como deseja se comportar. Dessa forma, você pode perceber como seria diferente se fingisse ser a pessoa que deseja ser. Em seguida, faça a si mesmo estas perguntas:
    • Como eu agiria de forma diferente se eu agisse como a pessoa que eu quero ser?
    • Se um bom amigo me visse daqui a alguns meses e eu parecesse mais com a pessoa que eu quero ser, que diferenças essa pessoa veria?
    • Quais poderiam ser os indicadores de que estou indo na direção certa?
  2. Um plano de ação concreto e realista pode ser criado de acordo com as respostas a essas perguntas. Uma lista pode ser feita com quais comportamentos seriam apropriados dentro deste plano de ação.
  3. Os itens nesta lista de comportamentos podem ser organizados do mais fácil ao mais difícil. Implementar os comportamentos de acordo com esta lista é importante porque fazer os mais fáceis aumenta o potencial de sucesso para os outros e é encorajador5.
  4. Neste ponto, pode ser realmente difícil implementar os comportamentos difíceis da lista em sua vida, ou o progresso pode não ser tão fácil e consistente mais. Aqui, gostaria de lembrar do fato que Adler frequentemente enfatiza em suas terapias: O sucesso é um estado de esforço e crescimento aumentado, ao invés do resultado final6.

Sim, eu admito, eu não sou um engenheiro aeronáutico. No entanto, qual é o obstáculo para isso? Ou deixe-me perguntar, o que impede você de agir como uma pessoa que pode controlar sua raiva e reagir calmamente nos momentos de raiva por apenas um dia? Vamos dizer que você queira ser mais apaixonado e trabalhador em relação à vida. Você não pode simplesmente tentar viver e fingir por um dia?

Sources

  1. Adler, A. (1964). The Individual Psychology of Alfred Adler: A systematic presentation in selections from his writing. (H. L. Ansbacher & R. R. Ansbacher, Eds.). New York: Harper Torchbooks. (Original work published 1956)
  2. Bem, D. J. (1972). Self-perception theory. In L. Berkowitz (Ed.), Advances in experimental social psychology (pp. 1-62). New York: Academic Press.
  3. Carich, M.S. (1997).Variations of the 'as if technique. In J. Carlson & S. Slavik (Eds.), Techniques in Adlerian Psychology (pp. 153-160). Washington, DC: Accelerated Development.
  4. Vaihinger, H. (1968). The philosophy of "as if": A system of the theoretical, practical and religious fictions of mankind. (C. K. Ogden, Trans.). New York: Barnes and Noble. (Original work published 1911)
  5. Sommers-Flanagan, J., & Sommers-Flanagan, R. (2018). Counseling and psychotherapy theories in context and practice: Skills, strategies, and techniques. John Wiley & Sons.
  6. Adler, A. (1964). The Individual Psychology of Alfred Adler: A systematic presentation in selections from his writing. (H. L. Ansbacher & R. R. Ansbacher, Eds.). New York: Harper Torchbooks. (Original work published 1956)
*Os artigos em nosso site não fornecem aconselhamento médico e são apenas para fins informativos. Um transtorno não pode ser diagnosticado com base nos artigos. Um transtorno só pode ser diagnosticado por um psiquiatra.