Jornada do Bilinguismo e Como Criar Filhos Bilingues

Comece a se sentir melhor hoje!

Conecte-se com seu terapeuta hoje e assuma o controle de sua vida, assim como nossos 500.000 clientes satisfeitos.

A Aventura de Ser Bilíngue

Os seres humanos diferem de outros seres vivos pelo fato de poderem se comunicar por meio de diferentes idiomas. Mudanças no desempenho linguístico afetam outras habilidades sociais e cognitivas, causando diferenças entre as pessoas. Neste ponto, é possível dizer que o desenvolvimento da linguagem é um processo muito importante e distintivo para a mente humana.

Então, o que acontece quando esse desenvolvimento progride de duas maneiras diferentes — ou seja, quando a mente começa a aprender dois idiomas diferentes? Devo ensinar ao meu filho uma segunda língua materna? Meu bebê deve crescer ouvindo dois idiomas ao mesmo tempo? Meu filho terá problemas no futuro se aprender dois idiomas?

Essas são algumas das perguntas que passam pela mente dos pais que estão criando uma criança ou se preparando para um novo filho. Vamos examinar juntos como o processo de aprendizado de idiomas funciona, as vantagens e desvantagens de ser bilíngue, os mitos da sociedade sobre esse assunto e se esses mitos são verdadeiros.

Como se Tornar Bilíngue

A linguagem é um sistema que molda nossos pensamentos com sons e palavras. Estamos expostos à linguagem desde o útero da mãe, e começamos a utilizar uma linguagem com os sons que produzimos durante a infância. Às vezes, como requisito da sociedade em que vivem ou apenas com o desejo dos pais, as crianças podem crescer aprendendo dois idiomas.

Existem dois métodos básicos comumente usados por pais que desejam criar uma criança bilíngue: o bilíngue simultâneo e o bilíngue sequencial.1, 9.

Bilíngue Simultâneo vs. Bilíngue Sequencial

O bilinguismo simultâneo é o resultado de ensinar duas línguas diferentes a uma criança ao mesmo tempo desde o nascimento. Muitas vezes, pensa-se que esse processo pode ser desvantajoso para o bebê que é exposto a dois idiomas, tanto na família quanto na sociedade.

Por outro lado, o bilinguismo sequencial é um método de ensinar à criança o segundo idioma após ela ter aprendido sua língua materna. Como a criança será ensinada outro idioma após o idioma materno, esse método, que é percebido de forma mais favorável do que o bilinguismo simultâneo, é principalmente observado em famílias imigrantes. Por várias razões, famílias que começam a viver em uma sociedade diferente precisam aprender o idioma desse país e ensiná-lo aos seus filhos.

Bilínguismo Positivo vs Bilínguismo Negativo

Quando consideramos situações similares, podemos perceber que nem todos os processos de bilínguismo ocorrem da mesma forma, e que existe tanto o bilínguismo positivo quanto o negativo. O Bilínguismo Positivo se refere a situações em que uma criança aprende um segundo idioma enquanto também mantém e utiliza sua língua materna.8.

Por outro lado, o bilínguismo negativo é observado em famílias que tiveram que migrar ou viver como minoria em uma sociedade. Nesse cenário, o idioma falado pelas famílias em casa e o idioma falado na comunidade em que vivem são diferentes entre si. Indivíduos que passam a infância e a juventude principalmente falando sua língua materna começam a aprender o idioma da sociedade como segundo idioma quando atingem a idade escolar e depois disso.

O ponto que torna o processo negativo é a diminuição da dominância nesse idioma ao longo do tempo devido aos espaços limitados onde os indivíduos podem falar sua língua materna. Quando o idioma da comunidade é aprendido como segundo idioma, ocorre um processo diferente do bilínguismo positivo.11, 12.

Na primeira fase, as crianças se tornam dominantes em sua língua materna (por exemplo, Curdo, Árabe) até começarem a frequentar o jardim de infância. Ao iniciar a escola e estudar na língua da comunidade, que é o Turco, a língua materna e o segundo idioma formam um tipo equilibrado de bilínguismo.

Com o tempo, o segundo idioma domina tanto a vida acadêmica quanto social, e a língua materna se torna menos dominante. Na última fase, o domínio da língua materna se deteriora, e o idioma aprendido como segundo idioma continua sendo o idioma dominante. Se não é falado, a língua materna se torna uma língua que os indivíduos podem entender, mas não conseguem falar fluentemente.

5 Maneiras de Criar uma Criança Bilíngue

Ao contrário de situações em que a força das circunstâncias desempenha um grande papel, as vantagens desse processo superam as desvantagens para as famílias que desejam criar uma criança bilíngue. Além disso, existem diferentes maneiras de criar crianças bilíngues que podem se encaixar em diferentes dinâmicas familiares.

an illustration of a bilingual child

Método Uma Pessoa, Um Idioma

O mais comum desses é o método de uma pessoa, um idioma, que é bastante semelhante ao bilíngue simultâneo., Neste método, um dos pais fala a língua materna enquanto o outro fala o segundo idioma a ser ensinado.13. Dessa forma, a criança realmente aprende ambos os idiomas como se fossem sua língua materna. O principal a observar aqui é que os pais mantêm a correspondência de idioma conforme começam.

Método dentro de casa - fora de casa

Outro método, dentro de casa - fora de casa, tem um processo semelhante. Os pais escolhem diferentes idiomas para falar com seus filhos quando estão em casa e fora de casa. Com este método, a criança fala principalmente sua língua materna em casa e o segundo idioma fora dela.7.

Este é um método frequentemente utilizado por famílias imigrantes e grupos minoritários. Enquanto a criança melhora sua língua materna em casa com a família e os parentes, ela também melhora seu segundo idioma em sua vida social fora de casa, na escola e com os amigos.

Método do Tempo de Idioma

Em outro método, o método do tempo de idioma, os pais reservam certos horários do dia ou da semana para falar e melhorar o segundo idioma. Ao usar esse método, deve-se ter em mente que os dois idiomas podem não se desenvolver de maneira equilibrada.

Método do Idioma Primário

No Método do Idioma Primário, que é bastante similar ao bilínguismo sequencial, os pais ensinam aos seus filhos um único idioma até atingirem uma certa idade. Os pais que utilizam esse método geralmente esperam até a idade escolar para ensinar o segundo idioma, e as crianças tentam se adaptar ao segundo idioma.

Método de mudança livre

No último método, o método de mudança livre, os pais usam dois idiomas diferentes de forma intercambiável sempre que desejam, sem seguir uma regra ou ordem específica.

Mitos e Fatos sobre o Bilínguismo

myths and facts about bilingualism and raisin bilingual children

É possível encontrar alguns preconceitos em famílias que têm como objetivo tornar seus filhos bilíngues, usando os diferentes métodos mencionados acima e na sociedade com a qual interagem. Muitas vezes nos deparamos com pessoas que julgam erroneamente o bilínguismo. A visão negativa mais comum sobre esse assunto, o mito do cérebro monolíngue, argumenta que as crianças terão dificuldade em distinguir entre dois idiomas diferentes e, portanto, terão um desempenho linguístico ruim.

Essa ideia, conhecida como Teoria da Capacidade Limitada, também argumenta que as crianças podem experimentar atrasos no desenvolvimento da linguagem nos anos seguintes.10. No entanto, pesquisas mostram que as crianças aprendem dois idiomas com dois sistemas de processamento de linguagem diferentes e não confundem os idiomas.6.

Além disso, a ideia de que o vocabulário das crianças bilíngues diminuirá não reflete a verdade. Pelo contrário, aprender dois idiomas diferentes permite que as crianças bilíngues conheçam mais palavras do que as crianças monolíngues, pois elas irão desenvolver dois vocabulários distintos.5.

Contrariamente ao que se acredita popularmente, o processo de aprendizado de idiomas pelo cérebro é bastante flexível e rápido. Relacionado a isso, outra visão negativa encontrada na sociedade é que, se um segundo idioma não for aprendido em tenra idade, não poderá ser aprendido mais tarde. Embora seja um fato inegável que o aprendizado de idiomas seja mais rápido em uma idade precoce, é claro que não há prazo final para se tornar bilíngue. Adultos que não foram criados como bilíngues podem continuar suas vidas como bilíngues por seus próprios esforços.

As Vantagens e Desvantagens do Bilínguismo

Crianças que crescem aprendendo dois idiomas periodicamente enfrentam desvantagens que alimentam mitos na sociedade, mas estão em uma posição cognitivamente vantajosa a longo prazo. Uma das desvantagens conhecidas de ser bilíngue é que suas habilidades narrativas ficam atrás em comparação com crianças monolíngues.2.

Crianças bilíngues, que não conseguem usar dois idiomas com a mesma profundidade e complexidade, podem ser consideradas em desvantagem até uma certa idade. Com a vida escolar e a educação, essa lacuna se fecha, e essa desvantagem desaparece nos anos seguintes. No entanto, no momento em que as primeiras palavras e frases simples surgem, bebês bilíngues podem ficar para trás em comparação com monolíngues. O tempo necessário para a mente se ajustar a dois sistemas de linguagem diferentes pode parecer uma desvantagem, mas na verdade é um investimento para o futuro.

Crianças bilíngues, que frequentemente alternam entre um idioma e outro, desenvolvem sua capacidade de suprimir e avançar cognitivamente, e são particularmente vantajosas em termos de funções executivas.3. Esse mecanismo de controle traz consigo um pensamento flexível, resolvendo problemas verbais e numéricos mais facilmente, e sucesso acadêmico nos anos seguintes.4.

Como as crianças bilíngues possuem dois sistemas operacionais de linguagem diferentes, elas estão em uma posição vantajosa para incluir um novo sistema, ou seja, aprender um novo idioma. Em geral, ser bilíngue pode causar desvantagens temporárias, mas é possível dizer que proporciona vantagens permanentes. Ao adicionar um segundo idioma ao mecanismo mental de seu filho, os pais podem fazer uma mudança duradoura na vida deles.

Sources

  1. Akgül, E., Yazıcı, D., & Akman, B. (2019). Views of parents preferring to raise a bilingual child. Early Child Development and Care, 189(10), 1588-1601.
  2. Aktan-Erciyes, A. (2019). The effect of second language acquisition on the fictional and grammatical processes of narrative skills in preschool and school age children. Psychology Studies - Studies in Psychology. Advanced Online Publication, 1-33.
  3. Bialystok, E., Craik, F. I. M., Klein, R., and Viswanathan, M. (2004). Bilingualism, aging and cognitive control: Evidence from the Simon Task. Psychology and Aging, 19 (2), 290-303.
  4. Bialystok, E., Craik, F. I. M., and Luk, G. (2012). Bilingualism: Consequences for mind and brain. Trends in Cognitive Sciences, 16, 240–250.
  5. Bedore, L., Peña, E., García, M., and Cortez, C. (2005). Conceptual versus monolingual scoring: When does it make a difference? Language, Speech and Hearing Services in Schools, 36, 188–200.
  6. Genesee, F. (2015). Myths about early childhood bilingualism. Canadian Psychology, 56(1), 6-15.
  7. Grosjean, F. (2009). What parents want to know about bilingualism? The Bilingual Family Newsletter, 26:4.
  8. S. Grover, & M. Grover, Dü Guerrero, C. H. (2010). Elite vs. folk bilingualism: The mismatch between theories and educational and social conditions. How Journal, 17(1), 165-179.
  9. Hernandez, A., Li, P., & MacWhinney, B. (2005). The rivalry of competing modules in bilingualism. Trends in Cognitive Sciences, 9(5), 220-225.
  10. Paradis, J., Genesee, F., & Crago, M. (2011). Dual language development and disorders: A handbook on bilingualism and second language learning (2nd ed.). Baltimore, USA: Brookes.
  11. Varol, O. (2017). Functional And Pragmatic Differences Of Turkish {-Mış} Construction in the Utterances Of Kurdish-Turkish Bilinguals. Route Educational and Social Science Journal, 4(7), 271-284.
  12. Varol, O. and Rehbein, J. (2018). Turkish acquisitions of Kurdish-Turkish speaking bilingual children in Turkey. New Turkey Turkish Language Special Issue, 2(100).
  13. Venables, E., Eisenchlas, S. A., & Schalley, A. C. (2014). One-parent-one-language (OPOL) families: is the majority language-speaking parent instrumental in the minority language development?. International Journal of Bilingual Education and Bilingualism, 17(4), 429-448.
*Os artigos em nosso site não fornecem aconselhamento médico e são apenas para fins informativos. Um transtorno não pode ser diagnosticado com base nos artigos. Um transtorno só pode ser diagnosticado por um psiquiatra.